CURSO DE REDAÇÃO PROF@ MAGALI MOURA

By: PROFESSORA Magali Moura

[Recommend this Fotopage] | [Share this Fotopage]
[<<  <  [1]  2  3  4  >  >>]    [Archive]
Thursday, 25-Mar-2010 12:36 Email | Share | | Bookmark
em 2010- força total - NOVOS HORÁRIOS, NOVOS DIAS

PERSPECTIVA ENEM , UFC, UECE, CEFET (REDAÇÃO ALIADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS:gráficos, quadrinhos, )

MATERIAL EXCLUSIVO E DIFERENCIADO;

PROFESSORA RESPONSÁVEL PELO MATERIAL DE REDAÇÃO
(3ºANO –EXTENSIVO E INTENSIVO) DA EDITORA APRENDER;
FORMADA PELA UFC;

NO MÁXIMO: 30 ALUNOS POR TURMA

PÚBLICO: ALUNOS A PARTIR DO 9º ANO, CONCURSEIROS E PRÉ-UNIVERSITÁRIOS ou PESSOAS INTERESSADAS EM TÉCNICAS DE ESCRITA EM GERAL;

PERÍODO DO CURSO: 15 DE ABRIL 30 DE JUNHO-2010

GRÁTIS: CAMISA DO CURSO

VAGAS LIMITADAS !!!

EM FORTALEZA: COLÉGIO 21 DE ABRIL – AV. BEZERRA DE MENESES, 600 – TAXA ÚNICA: R$ 160,00 – 4006-0800

TURMAS > QUARTA( TARDE OU NOITE) E QUINTA (MANHÃ-TARDE E NOITE)

EM JUAZEIRO DO NORTE – COLÉGIO ELIT – 3511-6000 –FALAR COM JOANA PAULA - TAXA ÚNICA R$ 200,00 – OU 1+3 DE R$60,00.
Turma 1: 09 às 11h
Turma 2: 14 às 16 h
Turma 3: 16:30 às 18:30h
Turma 4: 19 às 21
Escolha a sua !!!


Thursday, 11-Feb-2010 12:51 Email | Share | | Bookmark
MATRÍCULAS ABERTAS -FEVEREIRO DE 2010

 


Sunday, 24-May-2009 21:00 Email | Share | | Bookmark
HORÁRIOS E TURMAS !!! ESCOLHA JÁ A SUA !!!!!!

--Curso de Redação Profª Magali Moura --


ATENÇÃO PRA AS TURMAS E OS HORÁRIOS !

C. SUL: SEGUNDA - 15-30 ÀS 17:30

MARACANAÚ: QUARTA - 13:30 ÀS 15:30

CAPITAL: QUINTA: 14:00 ÀS 16;00

R. JUSTA: 18:45 ÀS 20-45


ESCOLHA JÁ A SUA !!!
 Perspectiva para os principais vestibulares do Nordeste;
 Propostas exclusivas e individuais;
 Ficha de atendimento e acompanhamento individuais;
 Material exclusivo e diferenciado;


INÍCIO: 03/ 08/ 2009 até 30/ 10/ 2009.

LOCAIS DE INSCRIÇÃO: Evolutivo Regina Justa - 4008.8200 / Evolutivo Capital – 4008.8300
Evolutivo Centro-Sul – 3292.8329 / Evolutivo Maracanaú – 3463 – 0393


INVESTIMENTO : À vista R$ 150,00 ou 2 x R$ 80,00 ( cheque ou carnê )


MATRÍCULAS ABERTAS ! PASSE JÁ EM UMA DE NOSSAS SECRETARIAS!
(Máximo de 30 alunos por turma)



Thursday, 6-Sep-2007 21:29 Email | Share | | Bookmark
Parágrafo

MÓDULO DE REDAÇÃO – 2º ANO – ENSINO MÉDIO – PROFª. MAGALI MOURA

ASSUNTO: ARGUMENTAÇÃO X EXPOSIÇÃO

1. O PARÁGRAFO COMO UNIDADE DE COMPOSIÇÃO

1.1 O Parágrafo – padrão.
O parágrafo é uma unidade de composição constituída por um ou mais de um período, em que se desenvolve determinada idéia central ou nuclear, a que se agregam outras, secundarias, intimamente relacionadas pelo sentido e logicamente decorrentes dela.
Trata-se, evidentemente, de uma definição, ou conceito, que a pratica nem sempre confirma, pois, assim como há vários processos de desenvolvimento ou encadeamento de idéias, pode haver também diferentes tipos de estruturação de parágrafo, tudo dependendo, é claro da natureza do assunto e da rua complexidade, do gênero de composição, do propósito, das idiossincrasias e da competência do autor, tanto quanto da espécie de leitor a que se destine o texto. De forma que esse conceito se aplica a um tipo de parágrafo considerado padrão, e padrão não apenas no sentido de modelo, de protótipo, que se deva ou que convenha imitar, dada a sua eficácia, mas também no sentido de ser freqüente, ou predominante, em muitos textos de escritores modernos.

1.2 Importância do parágrafo.
Indicado na pagina impressa ou manuscrita por um ligeiro afastamento da margem esquerda da folha, o parágrafo facilita ao escritor a tarefa de isolar e depois ajustar convenientemente as idéias principais de seu texto, permitindo ao leitor acompanhar-lhes o desenvolvimento nos seus diferentes estágios.

1.3 Extensão de parágrafo.
Tanto quanto a sua estrutura, varia também a sua extensão: há parágrafos de uma ou duas linhas como os há de pagina inteira ( evite-os pra o vestibular). A composição é um conjunto de idéias associadas, cada parágrafo, em principio, pelo menos- deve corresponder a cada uma dessas idéias.
É, pois, da divisão do assunto que depende, em grande parte, a extensão do parágrafo, admitindo-se que as idéias mais complexas possam desdobrar em mais de um parágrafo.

1.4 Tópico frasal
Geralmente, o parágrafo- padrão, aquele de estruturas mas comum e mas eficaz, consta, sobretudo na dissertação e na descrição, de duas e, ocasionalmente, de três partes: a introdução, representada na maioria dos casos por um ou dois períodos curtos iniciais, em que se expressa de maneira sumaria a idéia- núcleo (é o que se chama tópico frasal) ; o desenvolvimento, ou seja, a explanação dessa idéia- núcleo ; e a conclusão, mais rara, mormente nos parágrafos poucos extensos ou naqueles em que a idéia central não apresenta maior complexidade.
Constituído normalmente por um ou dois períodos curtos iniciais, o tópico frasal encerra de modo geral e conciso a idéia- núcleo do parágrafo. É uma generalização, em que se expressa opinião pessoal, um juízo, se define ou se declara alguma coisa. É certo que nem todo parágrafo apresenta essas características: algumas vezes a idéia- núcleo esta diluída nele, sendo apenas evocada por palavras de referencias. Mas a maioria deles o tópico frasal aparece logo no inicio. Mais de 60% deles tem essa configuração

“A sociedade moderna tem uma divida enorme para com a escrita. Nossa civilização altamente integrada e tecnologicamente orientada dificilmente poderia ter uma existência de alguma maneira semelhante a atual se não existisse a capacidade de documentar e preservar mensagens lingüísticas.”

2. FORMAS DE CONSTRUIR UM TÓPICO-FRASAL

Ao escrever seu primeiro parágrafo, você pode fazê-lo de forma criativa. Ele deve atrair a atenção do leitor. Por isso, evite expressões comuns como: atualmente, hoje em dia, a cada dia que passa, no mundo em que vivemos.
Há pessoas que sentem uma dificuldade especial em começar o parágrafo, o texto. Vale a pena então refletir sobre as diversas formas de começar um parágrafo.

 UMA DECLARAÇÃO ( TEMA: LIBERAÇÃO DA MACONHA)
É um grave erro a liberação da maconha.Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados não terão estrutura suficiente para atender à demanda.

 DEFINIÇÃO (TEMA: O MITO )
O mito, entre os povos primitivos, é uma forma de se situar no mundo, isto é, de encontrar seu lugar entre os demais seres da natureza.É um modo ingênuo, fantasioso, anterior a toda reflexão e não- crítico de estabelecer algumas verdades que não só explicam parte dos fenômenos naturais ou mesmo a construção cultural, mas que dão, também, as formas da ação humana.

 POR DIVISÃO ( TEMA: EXCLUSÃO SOCIAL)
Predominam ainda no Brasil duas convicções errôneas sobre o problema da exclusão social: a de que ela deve ser enfrentada apenas pelo poder político e a de que a sua superação envolva muitos recursos extraordinários. Experiências relatadas nesta folha mostram que o combate à marginalidade social em Nova York vem contando com intensivos esforços do poder público e ampla participação da iniciativa privada.

 OPOSIÇÃO (TEMA: A EDUCAÇÃO NO BRASIL )
De um lado, professores mal pagos, desestimulados, esquecidos pelo governo. De outro, gastos excessivos com computadores, antenas parabólicas, aparelhos de videocassete. É esse o paradoxo que vive hoje a educação do Brasil.

Também se pode criar uma oposição dentro da frase, como neste exemplo:

Vários motivos me levaram a este livro. Dois se destacam pelo grau de envolvimento: raiva e esperança. Explico-me: raiva por ver o quanto a cultura ainda é vista como artigo supérfluo em nossa terra: esperança por observar quantos movimentos culturais tem acontecido em nossa historia, e quase sempre como forma de resistência e/ou transformação.

 ALUSÃO HISTÓRICA (TEMA: GLOBALIZAÇÃO )
Após a queda do muro de Berlim, acabaram-se os antagonismo leste-oeste e o mundo parece ter aberto de vez as portas para a globalização. As fronteiras foram derrubadas e a economia entrou em rota acelerada de competição.

 UMA PERGUNTA ( TEMA: A SAÚDE NO BRASIL )
Será que com novos impostos que a saúde melhorara no Brasil? Os contribuintes já estão cansados de tirar dinheiro do bolso para tapar um buraco que parece não ter fim. A cada ano, somos lesados por novos impostos para alimentar um sistema que só parece piorar.

 UMA FRASE NOMINAL SEGUIDA DE EXPLICAÇÃO (TEMA: A EDUCAÇÃO NO BRASIL )
Uma tragédia. Essa é a conclusão da própria Secretaria de Avaliação e Informação Educacional do Ministério da Educação e Cultura sobre o desempenho dos alunos do 3º Ano do Ensino Médio submetidos ao SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica ), que ainda avaliou estudantes da 4ª serie e da 8ª serie do Ensino Fundamental em todas as regiões do território nacional.

 CITAÇÃO DE FORMA INDIRETA (TEMA: COMUNISMO )
Para Marx a religião é ópio do povo. Raimond Aron deu troco: o marxismo é o ópio dos intelectuais. Mas nos Estados Unidos o ópio do povo é mesmo ir às compras. Como as modas americanas são contagiosas, é bom ver do que se trata.

 EXPOSIÇÃO DE PONTO DE VISTA OPOSTO (TEMA: O PROVÃO )
Ministério da Educação se esforça para conhecer de que o provão é fundamental para a melhoria da qualidade do ensino superior. Para isso, vem ocupando generosos espaços na mídia e fazendo milionário campanha publicitária, ensinando como gastar mal o dinheiro que deveria ser investido na educação.

 COMPARAÇÃO (TEMA: REFORMA AGRÁRIA )
O tema da reforma agrária esta presente há bastante tempo nas discussões sobre os problemas mais graves que afetam o Brasil. Numa comparação entre o movimento pela abolição da escravidão no Brasil, no final do século passado e, atualmente, o movimento pela reforma agrária, podemos perceber algumas semelhanças. Como na época da escravidão existiam elementos favoráveis e contrários a ela, também hoje há os que são contra a implantação da reforma agrária no Brasil.


3. FORMAS DE DESENVOLVER UM PARÁGRAFO

 Enumeração ou descrição de detalhes

Tópico frasal: A arte é tudo que pode causa uma emoção estética,

Desenvolvimento: tudo que é capaz de emocionar suavemente a nossa sensibilidade, dando a volúpia do sonho e da harmonia, fazendo pensar em coisas vagas e transparentes, mas iluminadas e amplas como o firmamento, dado-nos a visão de uma realidade mas alta e perfeita, transportando-nos a um mundo novo, onde se aclara todo o mistério e se desfaz toda a sombra, e onde a própria dor se justifica como revelação ou pressentimento de uma volúpia sagrada.

Conclusão: É, em conclusão, a energia criadora do ideal.


 Confronto

Consiste em estabelecer confronto entre idéias, seres, coisas, fatos ou fenômenos. Suas formas habituais são o contraste (baseado nas dessemelhanças), e o paralelo (que se assenta nas semelhanças). Exemplo clássico de desenvolvimento por confronto e contraste é o paralelo que Castilho faz entre Vieira e Bernardes:

Lendo-se com atenção, sente-se que Vieira, ainda falando do céu, tinha os olhos nos seus ouvintes. Bernardes, ainda falando das criaturas, estava absorto ao criador. Vivia vivia para fora, para a cidade, para a corte, para o mundo, e Bernardes para a cela, para si, para eu coração. Vieira estudava graças a louçainhas de estilo (...); Bernardes era como essas formosas de seu natural que não se cansam com alinhava mentos (...) Vieira fazia a eloqüência: a poesia procurava a Bernardes. Em Vieira morava o gênio: em Bernardes, o amor, que, em sendo verdadeiro, é também gênio (...)


 Analogia e Comparação

O sol é muitíssimo maior que a Terra, e esta ainda tão quente que é como uma enorme bola incandescente, que inunda espaço em torno com luz e calor. Nós aqui na terra não poderíamos passar muito tempo sem luz e o calor que nos vêm do sol, apesar de sabemos produzir aqui mesmo tanto luz como calor. Realmente podemos acender uma fogueira para obtermos luz e calor. Mas a madeira que usamos veio de arvore, e as plantas não podem vive sem luz. Assim, se temos lenha, é porque a luz do Sol tornou possível o crescimento das florestas.


 Citação de exemplos

Toda esta alma de Santo (Antero) morava, para tornar o homem mais estranhamente cativante, no corpo de Alcides (sobrenome patronímico de Hercules). Antero foi na sua mocidade um magnífico varão (tópico frasal constituído por dois períodos de sentido equivalente). Airoso e leve (detalhe), marchava léguas (exemplo geral), em rijas caminhadas (exemplo especifico) que se alongavam ate a mata de Bussaco: com a mãe seva e fina, de velha raça (detalhe), levantava pesos (exemplo especifico) que me faziam gemer a mim, ranger todo, só de o contemplar na façanha; jogando o sabre para se adestrar (exemplo) tinha ímpetos de Roldão (detalhe por comparação), os amigos rolavam pelas escadas, ante seu imenso sabre de pau, como mouros desbaratados: e em brigas que fossem justas o seu murro era triunfal (detalhe). Conservou mesmo ate a idade filosófica este murro fácil: e ainda recorda uma noite na rua do Oiro, em que um homem carrancudo, barbudo, alto e rústico como um campanário, o pisou, brutalmente, e passou, em brutal silencio...O murro de Antero foi tão vivo e certo, que teve de apanhar o imenso homem de lajeado em que rolara...


 Causação e motivação

1.Razões e conseqüências

Carlos Drumonnd de Andrade apresenta no trecho abaixo uma serie de razões ou explicações para a sua declaração inicial, sem indica-las expressamente como tais:
É sinhá de minha amiga penar pela sorte do próximo, se bem que seja um penar jubiloso (tópico frasal). Explico-me. Todo sofrimento alheio a preocupa, e acende nela o facho da ação, que a torna feliz. Não distingue entre gente e bicho, quando tem de agir, mas, como há inúmeras sociedades (com verbas) para o bem dos homens, e uma cardume, e parecem que a escolhem de preferência a outras criaturas de menor sensibilidade e iniciativa (...) Veja como Augusto Frederico Schmidt apresenta suas razões, ate muito convincentes, através de pormenores, no texto opinativo abaixo:
Esta cidade já não é mais a capital oficial do pais, mas continua sendo a capital do povo brasileiro, quer queiram, quer não (tópico frasal). É a capital política, embora as Câmaras (alta e baixa) estejam em Brasília, de onde nos vêm, diluídos distantes, amortecidos e mudados, os ecos das agitações parlamentares. Aqui funcionou o Brasil: aqui encontrou a sua síntese, o seu centro de gravidade, esse complexo que é nosso país unificado e integro (...)

2. Causa e efeito

Cinco ações ou concursos diferentes cooperam para o resultado final (a abolição da escravatura): 1º, a ação motora dos espíritos que criavam a opinião pela idéia, pela palavra, pelo sentimento, e que a faziam valer por meio do parlamento, da imprensa, do ensino superior, do púlpito, dos tribunais: 2º, a ação coercitiva do que se propunham a destruir materialmente o formidável aparelho da escravidão, arrebatando os escravos ao poder dos senhores; 3º, a aço complementar dos próprios proprietários (..) ; 4º, a ação política dos estadistas (...); 5º, a ação dinástica.


3. Divisão e explanação de idéias “em cadeia”

De varias espécies são as condições susceptíveis de influir sobre a literatura. Podemos mencionar quatro ordens principais de condições desse gênero, geográficas, biológicas, psicológicas e sociológicas.
Os fatores sociológicos, enfim, influem de modo inequívoco sobre o movimento e as instituições literárias (tópico frasal desse parágrafo). Foi Bonald, creio, o primeiro sociólogo a chamar formalmente a atenção sobre esse aspecto da literatura como “expressão da sociedade” (...)

Esses fatores sociólogos, em sua dupla modalidade, são de quatro tipos principais: históricos, culturais políticos e econômico.

4. Definição

Na verdade, o mártir não despreza a vida. Ao contrario, valoriza-a de tal modo que a torna digna de ser oferecida a um Deus. Martírio é oblação, oferecimento, dádiva; suicídio é subtração e recusa. O mártir é testemunha de cristo; o suicida será testemunha de judas.

 MODELO 1 – ARGUMENTAÇÃO

A qualidade de vida no campo

É de conhecimento geral que a qualidade de vida nas regiões rurais é, em alguns aspectos, superior à da zona urbana. Isso porque no campo inexiste a agitação das grandes metrópoles, há maiores possibilidades de se obterem alimentos adequados, além do mais, as pessoas dispõem de maior tempo para estabelecer relações humanas mais profundas e duradouras.
Ninguém desconhece que o ritmo de trabalho de uma metrópole é intenso. O espírito de concorrência, a busca de se obter uma melhor colocação profissional, enfim, a conquista de novos espaços lança o habitante urbano em meio a um turbilhão de constantes solicitações. Esse ritmo intenso torna a vida bastante agitada, ao contrário do que se poderia dizer sobre os moradores da zona rural.
Além disso, nas áreas campestres há maior quantidade de alimentos saudáveis. Em contrapartida, o homem da cidade costuma receber gêneros alimentícios colhidos antes do tempo de maturação, para garantir maior durabilidade durante o período de transporte e comercialização.
Ainda convém lembrar a maneira como as pessoas se relacionam nas zonas rurais. Ela difere da convivência habitual estabelecida pelos habitantes metropolitanos. Os moradores das grandes cidades, pelos fatores já expostos, de pouco tempo dispõem para “alimentar” relações humanas mais profundas.
Por isso tudo entendemos que a zona rural propicia as seus habitantes maiores possibilidades de viver com tranqüilidade. Somente resta esperar que as dificuldades que afligem os habitantes metropolitanos não venham a se agravar com o passar do tempo.

MODELO 2 – EXPOSITIVO

Os problemas das correntes migratórias

Todos sabemos que, em nosso país, há muito tempo, observa-se um grande número de grupos migratórios, os quais, provenientes do campo, deslocam-se em direção às cidades, procurando melhores condições de vida.
Ao examinarmos alguma das causas desse êxodo, verificamos que a zona rural representa inúmeros problemas; os quais dificultam a permanência do homem no campo. Podemos mencionar, por exemplo, a seca, a questão da distribuição da terra e a falta de incentivo à atividade agrária por parte do governo.
Em conseqüência disso, vemos a todo instante a chegada desse enorme contingente de trabalhadores rurais ao meio urbano. As cidades encontram-se despreparadas para absorver imigrantes e oferecer-lhe condições de subsistência e de trabalho. Cresce, portanto, o numero de pessoas vivendo à margem dos benefícios oferecidos por uma metrópole; por falta de opções dirigem-se para as zonas periféricas e ocasionam a proliferação de favelas.
Por tudo isso, só resta admitir que a existência do êxodo rural somente agrava os problemas do campo e da própria cidade. Fazem-se, portanto, necessárias algumas medidas para tentar fixar o homem na terra. Assim, os cidadãos rurais e urbanos deste país encontrariam, com certeza, melhores condições de vida.

EXPRESSÕES PERIFRÁSTICAS OU CIRCUNLÓQUIOS A SEREM EVITADOS

Manter um alto grau de atividade (trabalhar bastante)
Grupos de idênticas naturezas (grupos iguais)
Se de alguma forma for possível (se for possível)
Nós diríamos (pensa-se)
Você está , com verdade , com razão (você está certo)
Em bases experimentais (experimentalmente)
Em bases normais (normalmente)
Uma experimentação oral (uma conversa)
Medidas tomadas em termos estritamente locais
(por ação local)
Num nível teórico (em teoria)
Durante o mês de abril (em abril)
No campo da educação (na educação)
Em vista do fato de (porque)
Exatamente de forma que (como)
Apesar do fato que (embora)
Neste preciso momento (agora)
Naquele instante (então)
Com exceção de (exceto)
Levar a feito experimentos (experimentar)
Conduzir uma investigação a respeito (investigar)
Chegar uma decisão (decidir)
Tomar uma consideração (considerar)
Levar a feito um estudo (estudar)
Via a regra (usualmente)
Da natureza de (semelhante)
No caso de (se)
Tem a capacidade de (pode)

 ELOS DE COESÃO

Para adicionar : Não só...como também ,não só...mas ainda / Não somente...mas também

Para opor : Mas, porém, todavia, contudo, entretanto, no entanto, não obstante, senão

Para dar causa : Pois , porque, porquanto, como(porque), visto que, já que, em virtude de

Para alternar:Ou, ora... ora / Seja .. seja / Quer.. quer

Para dar conseqüências: Portanto, por isso, por consequentemente, por conseguintes, em vista disso, diante disso, de sorte que, de modo que, de maneira que

Para fazer concessão : Apesar de, embora, ainda que, se bem que, por mais que,por menos que, por melhor que, por muito que, mesmo que

Para dar continuidade: Além disso, outrossim, com efeito, por outro lado, ainda, inclusive, com efeito, realmente, ora, acrescentando que, acrescentando-se que, saliente-se ainda que, paralelamente

Para dar condição : Se, caso, desde que, contando que, a não se que, salvo se

Para concluir: Portanto, por isso, assim sendo, por conseguinte, consequentemente, então, desde modo, dessa maneira, em vista disso, diante disso

Para incluir: Também, inclusive, igualmente, até(= inclusive) / Acrescente-se, ainda, o emprego do verbo no gerúndio, desde que não se abuse desde: Ex: concluindo, ratificando...

 ARTICULADORES OU MARCADORES TEXTUAIS NOS PARÁGRAFOS

Para introdução: É realmente possível que... / é certo que... / por causa.../ é inegável... / e certo que... / a questão do... vem provocando... / é inegável... / pode-se aceitar que...

Para análise – desenvolvimento: É preciso... em primeiro lugar... / com efeito... / é preciso lembrar-considerar-observar / trata-se inicialmente ...

Para continuação da análise – desenvolvimento: Não se pode esquecer... / observa-se... / paralelamente... / além disso

Para conclusão: Portanto... / assim... / finalmente... / resumindo... / ratificando... / em suma... / dessa forma.../ nesse sentido...


“ Sou do tamanho daquilo que vejo e não do tamanho da minha altura ”

Fernando Pessoa




Tuesday, 7-Feb-2006 12:00 Email | Share | | Bookmark
**Agora aprenddam dicas para o uso da VÍRGULA !**

**************************************************************************************************************************
O USO DA VÍRGULA

O emprego da vírgula é, em geral, associado a uma pausa na oração , mas esta idéia não deve ser tomada como um dogma.
A vírgula deve ser vista também pelo ponto de vista sintático.

ORDEM NATURAL DAS ORAÇÕES: sujeito + predicado + complemento + advérbio. Se ouver algum termo intercalado, ou seja, se a ordem da oração for alterada este elemento aparecerá entre vírgula. Vejamos:


1. NÃO DEVE OCORRER VÍRGULA

- ENTRE VERBO E SUJEITO

Os alunos, chegaram atrasados.
O guerreiro, parece estar dormindo

- ENTRE VERBO E COMPLEMENTOS VERBAIS

Encontramos, o tesouro perdido.
Obedecemos, aos nossos pais.
O quarto permanecia, fechado.

- ANTES DE ORAÇÃO SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ( OBJETIVA DIRETA, OBJETIVA INDIRETA, COMPLETIVA NOMINAL, PREDICATIVA E APOSITIVA )

Convém, que sejamos otimistas. SUBJETIVA
Espero, que ninguém cometa erros. SUBJETIVA

2. DEVEM VIR ENTRE VIRGULAS

- VOCATIVO ( TERMO USADO PARA INTERPELAR OU CHAMAR A ATENÇÃO A QUEM O EMISSOR SE DIRIGE )

Venha, Miguel, estamos a sua espera
Maria, traga-me uma xícara.

- APOSTO (TERMO EXPLICATIVO, ESCLARECEDOR...)

Cidade do sol, Fortaleza é muito bela.
Pedro, um grande músico, faz sucesso em Paris.

- OS ADJUNTOS ADVERBIAIS (PARA ASSINALAR A INVERSÃO OU PARA REALÇÁ-LOS)

Rita partiu, inesperadamente, da cidade.
Muitas vezes, as pessoas são falsas.

- AS ORAÇÕES INTERCALADAS

Pareço, observou o rapaz , um infeliz.
Senhor, disse o velho, tenho grandes novidades

- AS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS EXPLICATIVAS

O homem, que é imortal, pouco viu sobre a terra

- EXPRESSÕES EXPLICATIVAS ( isto é a saber, por exemplo, a meu ver, na minha opinião, verbi gratia, ou melhor, quer dizer etc)

Meu pai, de quem guardo amargas lembranças, mora no Rio de Janeiro.

- CONJUNÇÕES COORDENADAS ADVERSATIVAS, QUANDO POSPOSTAS (mas, porém, contudo, entretanto, todavia, etc. )

Vens, pois, anuciar-me uma desventura.
Não havia , porém , motivo para tanta raiva.


3. DEVEM VIR PRECEDIDOS DE VIRGULA

- OS ELEMENTOS E ORAÇÃO COORDENADAS ASSINDÉTICAMENTE

Amor, fortuna, dinheiro, somente isso não traz felicidade.

Acordei, tomei banho, comi algo e saí para o trabalho.

- AS DATAS E ENDEREÇOS

Curitiba, 7 de outubro de 1995.( o lugar da data)

Moro na rua Gustavo Braga, 805.(a rua di número)

- A INDICAÇÃO DA ELIPSE DE UM TERMO

Ele comprou revistas; ela, livros.

Meu amigo, meu marido.

Todos chegaram alegres; eu, muito triste.



- AS ORAÇÕES SUBORD. REDUZIDAS DE GERÚNDIO E PARTICÍPIO

Mentindo, será castigado.
Terminada a aula, os alunos saíram.

- ANTES DO (e)

QUANDO AS ORAÇÕES APRESENTAREM SUJEITOS DIFERENTES

Vando é esnobe, e Jean é simples.

QUANDO O (e) SE REPETIR
.
E grita, e chora ,e pula de alegria.

QUANDO A CONJUNÇÃO (e) ASSUMIR VALORES DISTINTOS (ADVERSIDADE, CONSEQÜÊNCIA)

Treinou muito, e não se classificou.

- PROVÉRBIOS

Tal pai, tal filho.

- AS ORAÇÕES PRINCIPAIS POSPOSTAS

Embora eu estude, não aprendo.

- Em construções com termos pleonáticos (pleonasmos são redundâncias de termos usados para conferir mais ênfase ao texto.)

As críticas, mande-as às favas.


· Você também não deve esquecer destes casos:

- Sim e Não, quando resposta

- Você gostou da aula?
- Não, eu adorei.

- Saudações

Atenciosamente,
Cordialmente,
*********************************************************************************************************************************
"Esperança é nunca desistir mesmo
que tudo já tenha se perdido.
Inteligência é compreender que sempre
se pode aprender mais do que já se sabe.
Sabedoria é considerar também
a possibilidade de estar errado.
Amor é a capacidade de sacrificar-se
por alguém ou por algum objetivo."

Paulo Coelho


[<<  <  [1]  2  3  4  >  >>]    [Archive]

© Pidgin Technologies Ltd. 2016

ns4008464.ip-198-27-69.net